2 de outubro de 2009

Mrs. Dalloway


"Mrs. Dalloway disse que ela própria iria comprar as flores."


Assim começa o romance que há muito eu estava por ler (aliás, nem tanto tempo assim), desde que tenho Virginia Woolf como uma das minhas escritoras favoritas e, sendo assim, eis que surge um carinho enorme por essa personagem a qual apenas pronúncia do nome me promove encanto.



"O Fascínio deste livro e a sua contribuição fundamental à história da literatura universal vêm, desde a sua publicação, produzindo comentários, outros livros, filmes e admiradores ardorosos. Há quem o defina como "o primeiro romance a fazer a cisão do átomo" e emitir, pelo século XX e além, o turbilhão dessa energia concentrada nos detalhes, na construção perfeita do estilo, na passagem sutil de uma observação direta dos fatos ao pensamento mais intimista. Percebê-lo em sua grandeza é não renegar nem um minuto sequer desse esplêndido e torturante dia para o qual Virgínia Woolf nos convida, com direito a algumas das mais belas, complexas e incisivas frases já escritas. Afinal, ela "sempre sentira que era muito, muito perigoso viver, por um só dia que fosse." (Texto de Mario Quintana - tradutor de Mrs. Dalloway)

(Foto: Louise LeGreesley)

Nenhum comentário: