18 de julho de 2012

de mãos abanando - o amor


foto: Sheila Staudt


Agora escrevo pássaros.
Não os vejo chegar, não escolho,
de repente estão aí,
um bando de palavras
a pousar
uma
por
uma
nos arames da página,
entre chilreios e bicadas,
chuva de asas,
e eu sem pão para dar,
tão somente deixo-os vir.
Talvez seja isto uma árvore,
ou quem sabe,
o amor.


(Julio Cortázar - Poemas para Cris
tradução: Sidnei Schneider)

3 comentários:

Gugu Keller disse...

Que lindo! Celebremos as revoadas!
GK

Márcia disse...

Lindo, lembrou o Manoel de Barros.
M.

Sheila S.S. disse...

é realmente lindo este poema! ocupei boa parte de meu tempo a pensar sobre ele... e ainda.